Página 46 - Edicao 86

Versão HTML básica

é com a qualidade do serviço que, ele adverte,
mesmo em se tratando de viagem de lazer, é coisa
muito séria. “A venda, nessas situações, precisa
ser totalmente consultiva. É preciso avaliar as
exigências e necessidades dos clientes e sugerir
soluções compatíveis, tendo em vista o custo/
benefício em relação aos recursos financeiros
disponível. Nem sempre o solicitado pelo cliente é
a melhor opção. Mas ele não sabe disso. Cabe a nós
dizer. Nossa proposta é fazer com que o programa
de incentivo aos colaboradores e parceiros seja
a ferramenta realmente capaz de melhorar o
relacionamento, a produtividade e, assim, o
desempenho dos negócios”, recomenda Marcos.
Planejamento é essencial
O consultor considera que, no planejamento
de uma viagem de incentivo bem-sucedida, a
escolha do parceiro receptivo é peça-chave.
“É importante que ele faça muito mais do que
conhecer profundamente as opções de atividades
e espaços e cultura locais. É preciso saber lidar
com diferentes culturas, para que se garanta um
serviço excepcional, respeitoso das diferenças”,
aconselha o consultor.
Com clientes nos setores industrial, financeiro
e de serviços, a Alatur conhece os desafios e
as exigências mais comuns, tanto em viagens
nacionais ou internacionais. “Ultimamente, tem
crescido muito a procura de viagens internacionais
de incentivo a lugares exóticos, com o elemento
surpresa, experiências que se tornam únicas e
inesquecíveis, mas que só fazem aumentar a lista
de cuidados que os profissionais encarregados da
organização precisam observar”, adverte Marcos.
O Grupo Alatur trabalha com uma rede de
fornecedores com credibilidade no mercado e
reconhece o papel de cada um no momento de
entrega dos serviços oferecidos. Isso faz com que o
relacionamento seja muito bom, como uma via de
mão dupla, visando sempre o bem-estar do cliente.
Todo ano, a empresa realiza um encontro, com a
finalidade de premiar e reconhecer os melhores
parceiros do período. E, em cada encontro, soma
novas informações no sentido de melhorar o próprio
desempenho operacional na arte da viagem de
incentivo.
O modelo vai muito bem obrigado, garante
Balsamão. Recentemente, a Alatur foi procurada
por uma grande indústria de cosméticos interessada
em promover um evento com a finalidade de
fidelizar donos de salões de beleza. A equipe da
agência planejou e levou alguns profissionais
ao Egito, onde puderam fazer contato com a
riqueza da cultura-berço da civilização, onde,
aliás, surgiram algumas das primeiras técnicas de
tratamento cosmético, algumas delas, criadas por
Cleópatra. “Um sucesso”, avalia Marcos.
Outraempresa, do setor farmacêutico, encomendou
um programa de recepção de CEOs e presidentes
das unidades regionais, principais clientes e
autoridades de diversos países. Nesse caso, o
trabalho foi, acima de tudo, logístico e complexo,
pois os grupos estavam em Minas Gerais e São Paulo.
As providências incluíram desde a contratação
de seguranças, degustação de menu, locação de
avião e fornecimento de brindes customizados até
o monitoramento 24 horas por dia. “Talvez tenha
sido o maior desafio que já enfrentamos. Mas valeu
a pena. Sempre vale”, garante o diretor da Alatur.
pág.
46
/
edição
86 /
Turismo
emNúmeros